Sobre os noivos

Como é bom recordar! Conheça os detalhes da nossa caminhada até esse grande sonho do nosso casamento.

 

 

Imagem Sobre

Essa maravilhosa história começou em um outono abafado na cidade de Blumenau/SC, no dia 29.4.1991.

Naquele tempo, D. Beatriz e S. Alaor deram vida à Jessica, um verdadeiro anjinho na face dessa terra. 

Transcorridos 7 meses, exatamente no dia 22.11.1991, a aproximadamente 210km de distância de Blumenau, na bela cidade de Curitiba, D. Aldira e S. Francisco concebiam o garotinho peralta de nome Gustavo. 

Como efeito natural da vida e com uma boa dose de bençãos, essas duas crianças cresceram e se desenvolveram naturalmente, ela com algumas mudanças de cidade (entre Blumenau e Curitiba) e ele sempre no leste periférico de Curitiba, no charmoso bairro Uberaba (de cima).

Nessa estrada da vida, o garotinho Gustavo acabou por estudar, do Jardim 3 à 8ª série na escola Esperança, instituição na qual fez uma amizade bonita e duradoura com a (por coincidência) Jéssica Camargo, ou simplesmente Jejé (alcunha doravante utilizada na presente narrativa).

Entre idas e vindas, a família da Jessica estabeleceu moradia em Curitiba, cidade em que ela decidiu por estudar Eng. de Produção. 

No ano de 2008, época de pré-vestibular, momento de extrema importância na vida desses 2 jovens, ela resolveu ingressar em um curso especializado para alcançar seu sonho recém descoberto. 

Como um verdadeiro maestro, que rege com excelência a sua orquestra, Deus resolveu guiar a Jeje para também escolher a Eng. de Produção por profissão, bem como pela adoção da mesma instituição pré-vestibular que a Jessica estava matriculada.

Gustavo, a seu turno, escolheu Direito. Entretanto, não estava muito preocupado em como chegar até lá, visto que sua intenção com o curso pré-vestibular era farrear. 

Não obstante, como anteriormente dito, mantinha contato com a Jeje, que insistia para que ele conhecesse sua nova amiga de cursinho, a Jessica Werner.

Ele, sem perder tempo e sem maiores delongas, pediu o contato, adicionou-a no finado msn e convidou-a para um cineminha mal intecionado. Ela, sem pestanejar, disse um sonoro NÃO, obrigado, no momento só quero estudar.

Ele, muito decepcionado, resolveu por desistir da moça e seguir seu caminho, no auge dos seus enérgicos 16 anos.

Nesse meio tempo, as duas Jessica's foram aprovadas para o curso de Eng. de Produção da PUC/PR que se iniciou no início do ano de 2009. Ele, sem querer muito da vida, passou para o Curso de Direito da mesma academia, o qual iniciou-se no segundo semestre daquele ano.

Eis que, numa bela tarde de maio/2009, Gustavo recebe um convite de Jeje para ir até sua residência. Motivo: estava estudando com a Jessica e queria que nós finalmente nos conhecessemos. Ele, despreocupado com a vida e sem muito o que fazer por motivos de inércia, aceitou o convite e naquela tarde foi até a casa da Jessica, acompanhado de um amigo e sem muitas pretensões.

Chegando no destino, Gustavo dá oi para as meninas e apresenta seu amigo. Jessica Werner olha furiosa para a Jeje, desconfiando do conluio existente entre os amigos e pensando que aquilo se tratava de uma verdadadeira arapuca. Com razão.

Gustavo, utilizando todo o seu charme de um rapaz de 17 anos, convida Jessica para um passeio nas redondezas do bairro. Ela aceita para se livrar logo daquele muleque mal vestido e cabeludo.

Mal sabia ela que as artimanhas utilizadas por Gustavo surtiriam efeito. Isso porque, naquela tarde maravilhosa, ele roubou-lhe um beijo de forma totalmente capciosa. Pasmem os senhores (as), ela retribuiu.

Após esse dia, eles se viram mais algumas vezes, encontrando-se secretamente na PUC, em festas ou no shopping. 

Por que secretamente? Jessica Werner temia a reação de sua mãe, D. Beatriz, se descobrisse que sua filha, um anjo que estava acobertado pelo manto protetor materno, se relacionasse com um rapaz matreiro. 

O temor de Jessica não surtiu efeito. No dia 3.7.2009, Gustavo pede a moça em namoro. Ela aceita. Chegou o momento do temido encontro entre rapaz matreiro e mãe protetora. 

Numa tarde de sábado, alguns dias após o início do relacionamento concreto, Gustavo toma banho, veste sua melhor roupa e vai ao encontro da fera.

Graças ao céus, após um longo sermão sobre namoro (que durou muitas horas), àquela nobre senhora aceita o namoro dos jovens.

Os próximos anos foram de descobertas, com o relacionamento talhado de maneira meticulosa pelo Dono do Universo, com o rapaz crescendo (com certa dificuldade) em maturidade e confiança com os pais da moça. Ela, por sua vez, não teve maiores dificuldades com a família do garoto, uma vez que com o seu jeito sempre conquista naturalmente a qualquer um.

No trampolim do tempo, após 7 anos de relacionamento, Gustavo, formado e vendo todas as amigas da Jessica se casando ou noivando, mesmo não trabalhando concretamente (estava em um estágio de pós graduação), resolve, secretamente, comprar duas alianças e um anel de noivado. Quando ele ia entregar com um pedido de casamento? Só Deus sabia.....

Passaram-se alguns meses, numa festa de um familiar, a D. Beatriz estava fechando o aniversário da Jessica com a tia Salete. De forma inusitada, esta senhora diz para o Gustavo: "seria legal se vc pedisse ela em casamento no aniversário". Ele, ingenuamente, diz: "e olha que eu já tenhos as alianças". Pronto, a D. Beatriz abraçou a ideia, estabeleceu as diretrizes da festa com a D. Salete e ele, com um mix de espanto e ansiedade, conta a novidade para os seus pais, D. Aldira e S. Francisco.

No momento em que contou os planos, o S. Francisco quase infartou. Motivo? Ele ficou contrariado com o seu filho, desempregado e sem nada de concreto, pedir a mão da moça em casamento. Do que eles iam viver? Como pagar a festa? Como comprar a casa? 

Gustavo, com suporte da D. Aldira, acalma o veio e diz que ele apenas ia pedir a Jessica em casamento, sem marcar data de casamento e sem maiores pretensões. Apenas noivar.

Todo mundo acertado, etc., no dia 29.4.16, chega o grande momento. 

Gustavo cria uma estória, de que arranjou um cliente e precisava prestar consultoria exatamente na noite daquele dia, no município contíguo de Campina Grande do Sul. 

Previamente ajustados e em propósito de condutas, D. Beatriz havia dito para Jessica que reservara uma mesa para comemorar o aniversário da Jessica no Toscana, em Sta. Felicidade. 

Em verdade, o local do evento seria o Mabu Resort, localizado no município vizinho para o qual se deslocavam Jessica e Gustavo. No caminho, Jessica, desesperada com o adiantar da hora e a localização do cliente, dava uma verdadeira bronca em Gustavo. Ele apenas cantarolava.

Ao chegar no local do evento, ela já desconfiou que se tratava de um aniversário surpresa. Mal sabia ela dos acontecimentos daquela noite.

Encontramos então com S. Francisco, D. Aldira, S. Alaor, D. Beatriz, tia Salete (a motivadora), tio Marçal, Raquel, Alaor Jr. e Kaique. Jantamos, conversamos, bebemos e então Gustavo percebe uma piscadela de D. Beatriz. Chegou o momento.

Gustavo se levanta, agradece a todos, fala algumas palavras e então Jessica já desata os nós da armadilha e começa a chorar. Ele se ajoelha na frente dos familiares e dela e faz o pedido. Ela diz SIM.

Tocam-se as trombetas. Começa a música. Os anjos dançam. O universo está em festa. 

E então chegou esse momento.

Esperamos de todo o coração que nossos convidados aproveitem conosco, transmitindo-nos as melhores energias possíveis, porque cada um de vcs foi escolhido de maneira extremamente esmiuçada, pormenorizada, metódica, mas com muito carinho, simplesmente por serem partes de nossas vidas. 

Obrigado pela companhia e esperamos contar com vcs na 2ª etapa dessa história condensada na narrativa acima.

Obrigado Deus pela vida e pela oportunidade.

Obrigado aos nossos pais amados.

VIVA!

Imagem Sobre
Imagem Sobre